Sim, nós temos um passado

passado Por mais que você, que lê este texto, seja meu amigo ou conviva comigo diariamente, certamente não sei tudo sobre sua vida. Tenho certeza que, em uma hora de conversa, vou me surpreender com algo que você já fez, disse ou viveu. Ninguém tem a obrigação de saber tudo sobre o outro, claro. Aliás, nem deve. Mas todos deveríamos partir do pressuposto de que, não importa qual seja, o passado alheio deve ser respeitado tanto quanto seu presente.

Exatamente por isso, julgar alguém pelo que ele parece ser é simplesmente negar que ele tenha um passado. Que tenha feito coisas das quais se arrependa, mas que tenham lhe ensinado muito. Que tenha participado de tantas outras das quais se orgulhe, mas que não sai contando por aí pra não parecer metido.

Até o mais quieto, santo e calado dos seres também tem um passado. Quem duvida que aquela piriguete que você tanto esnoba no escritório não tenha sido a primeira bailarina de um teatro municipal importante ou tenha ganhado um prêmio na faculdade pela descoberta de uma fórmula inédita de química? Você apostaria que aquele menino tímido e educado que te faz suspirar não tenha nas costas um processo por agressão ou tenha traficado drogas no bairro onde morava?

Não dá pra saber. Também não é preciso sair por aí vasculhando a vida de todo mundo nas redes sociais ou nas páginas policiais. Basta considerar que todo mundo tem um passado que não deve ser menosprezado. Eu, por exemplo, posso até ter essa cara de quem nasceu ontem e não sabe nada da vida. Mas já fiz um bocado de coisas, importantes ou não, que muita gente nem sabe. Já toquei piano, joguei basquete, fiz Ginástica Rítimica Desportiva, teatro e canto coral, dei aula, cuidei de criança, fui modelo, dancei salsa e fiz um filme sobre forró pé-de-serra. Fora o tanto que já fiz nos oito anos que já tenho de Jornalismo (contando a faculdade) e prefiro não ficar destacando.

Não escrevo este texto pra que me reverenciem, não. Só quero ressaltar que, justamente por eu ter um passado, mesmo bobo, não aceito que me tratem como se eu tivesse chegado ao mundo ontem de manhã. Seja lá qual for a minha aparência, o meu nível de insegurança e confusão, peço que me vejam como alguém com uma bagagem nas costas. Uma viajante que já andou muito por aí – pelo menos no sentido figurado – para chegar exatamente aqui, no momento em que redije estas linhas.

A próxima vez que você olhar pra mim ou pra qualquer pessoa que cruzar seu caminho, pense antes de julgar. Lembre-se de que todos têm muito a ensinar uns aos outros, por mais desprezíveis que pareçam (o que, na minha opinião, nunca devem ser). O passado é uma das coisas que nós nunca podemos apagar. Então, por que não torná-lo nosso aliado? Ninguém pode ser condenado eternamente por seu passado, mas também não precisa ser julgado hoje sem que seu ontem seja levado em consideração…

Anúncios

Ode ao gerúndio

Não que eu tenha descoberto a pólvora ou tenha conseguido achar a chave da perfeição e da felicidade absolutas. Mas nos últimos dias tudo passou a fazer todo o sentido do mundo quando um mix de textos, mensagens e sentimentos me fez começar a mudar aos pouquinhos aquilo que não gostava em mim: minha agonia constante pelo ontem e pelo amanhã.

Percebi que era exatamente isso que me fazia tão mal. Lembrar o passado me fazia sentir culpa, angústia, saudade, tristeza. Pensar demais no futuro me dava frio na barriga, frustração, ansiedade crônica, dores e neuroses.

E de repente resolvi ser hoje, estar hoje. Percebi que, críticas gramaticais à parte, o gerúndio é o melhor tempo verbal de todos. Olhar para os lados e perceber que a vida é isso aqui, o que estou vivendo, o que estou sentindo, o que estou vendo, é o que traz felicidade.

Não tem problema se o agora é triste, complicado, problemático. Ainda assim é sua chance de ser feliz. Basta tirar desses momentos tantas lições quantas a vida quiser te dar. Pode parecer absurdo, mas sofrer também é bom. A gente aprende a andar depois de levar alguns tombos, fica mais atento depois de errar e levar uma bronca, estuda com mais atenção quando não passa no vestibular.

Por isso, o passado tem que ficar de onde ele veio: lá atrás. Tire conclusões e aprendizados dele, mas deixe-o passar. E o futuro não tem que ficar em lugar nenhum, porque ele sequer existe. Sonhar é bom, desde que você não perca mais tempo fazendo planos que vivenciando sua realidade. Toda essa filosofia se resume em uma expressão: CARPE DIEM. Em latim, ela significa “aproveite o dia”. Simples assim.

E é nessa simplicidade que tento me apegar para viver meus dias a partir de agora. Fácil não é, mas e daí? Ninguém falou que seria…

//
Para contextualizar meu estado de espírito, já estou há pelo menos uma semana interiorizando essas ideias, mas nestes dois últimos dias veio a certeza de que estou no caminho certo.

Na madrugada de domingo, minha irmã Andressa Caitano Ribeiro, 20 anos, pré-vestibulanda e futura médica, me mandou um e-mail dizendo o seguinte:
Acabei de vomitar umas ideias. Não sei se foi o sono o causador dessa catarse, mas veio e eu só tentei traduzir em palavras. Ficou tão não-meu que resolvi te mandar, não sei por que, talvez intuição!”.
E lá estava o lindo texto que segue abaixo e resume exatamente meu momento de cultivar o momento. Vai explicar! Coisa de irmãs.

Para completar, nesta segunda-feira (03/10) li a entrevista feita pela Branca Nunes, que trabalha comigo, com o filósofo francês Luc Ferry, ex-ministro da Educação da França. Ele diz tudo o que eu precisava ouvir – aliás, que todo mundo precisava – sobre a busca pela felicidade. Leia a entrevista completa aqui (e veja o vídeo, que tem coisas a mais), mas já destaco o que achei mais interessante:

“Os gregos diziam que existem dois perigos que pesam sobre nós e nos impedem de ter uma vida boa: o passado e o futuro, que são armadilhas. O passado não é mais e o futuro ainda não é. Eles são negações que ocupam nosso dia e nos impedem de habitar o presente, que é a única dimensão real do tempo. (…) Para os gregos, o sábio é aquele que consegue pensar menos no passado e ter menos esperança. Se eu me separar, se mudar de casa, se trocar de emprego. O passado já aconteceu. O futuro é uma ilusão.”

Leiam e aprendam comigo. E CARPE DIEM!
//
Vida clichê, termo intenso – por Andressa Caitano Ribeiro

Já me preocupei com ganhos e perdas
Com amores e desamores, antigos, presentes e futuros.
Já sofri com o que já vivi, me arrependi do que fiz e do que não fiz.
Me desesperei por não estar fazendo o meu melhor,
por não estar aproveitando o tempo como deveria.
Mais do que sonhei com o futuro: idealizei-o como quem redige uma trama teatral.
Já sofri pelo que já foi e pelo que ainda nem veio.
Mas, num momento CARPE DIEM da vida,
percebi o tanto de tempo que perdi com preocupações dispensáveis e neuróticas.
Resolvi, então, cultivar cada vez mais a ideia do hoje, do agora.
Tomar como lema a frase mais clichê da minha vida, porém a mais completa:
“Viver intensamente cada instante do presente, formando assim um passado memorável e um
futuro imprevisível, inusitado e mais feliz!”
Pois sem planejar demais não corro o risco de me decepcionar.
Faço essa reflexão sem ignorar a força do pensamento e o poder do magnetismo.
E nunca deixarei de sonhar e mandar a mensagem para o universo do meu desejo para o futuro,
Mas sem fazer dele a minha realidade maior.
//

Na playlist do dia vai só Legião Urbana e a inesquecível música-poema do renato Russo que nos ensina a não pensar no amanhã:

Pais e Filhos – Legião Urbana

Estátuas e cofres. E paredes pintadas
Ninguém sabe o que aconteceu
Ela se jogou da janela do quinto andar
Nada é fácil de entender
Dorme agora
É só o vento lá fora
Quero colo. Vou fugir de casa
Posso dormir aqui com vocês?
Estou com medo. Tive um pesadelo
Só vou voltar depois das três
Meu filho vai ter nome de santo
Quero o nome mais bonito
É preciso amar as pessoas como se
Não houvesse amanhã
Porque se você parar para pensar,
Na verdade não há

Me diz porque que o céu é azul
Explica a grande fúria do mundo
São meus filhos que tomam conta de mim
Eu moro com a minha mãe
Mas meu pai vem me visitar
Eu moro na rua, não tenho ninguém
Eu moro em qualquer lugar
Já morei em tanta casa que nem me lembro mais
Eu moro com os meus pais
É preciso amar as pessoas como se
Não houvesse amanhã
Porque se você parar para pensar,
Na verdade não há

Sou uma gota d’água
Sou um grão de areia
Você me diz que seus pais não lhe entendem
Mas você não entende seus pais
Você culpa seus pais por tudo
E isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser, quando você crescer?