Pausa para mais um adeus

Lá vai você de novo e eu nem tive tempo… Não ouvi você cantar, não sei sua cor preferida, o que te deixa triste nem os lugares que faltou conhecer.

Não deu tempo de dizer como preciso de carinho, que minha marra é puro medo. E que minha busca por carinho é pra ver se aprendo a ter alguém por perto sem fugir. E que estava começando a gostar de quem eu era perto de você. Ainda não era um suspiro, mas me fazia bem.

Não pude te contar como tropeço nos sentimentos e o quanto eles me confundem. Faltou tempo pra outro cafuné, pra outra tentativa.

Você já parece estar de saída e eu nem pude cuidar de você quando ficou doente. Não te vi à luz do dia, não vimos um filme inteiro. Não consegui saber mais sobre seu mundo, suas canções.

Mais uma vez se foi antes que fosse. Antes que eu decidisse se queria, se podia ser, se era você. Não foi.
Hoje é você, ontem foi outro “você”. Mais um quase interrompido. Mais um fim antes do começo… Mais um adeus.

Palavras sobre mais um fim

Não era hoje (por Adriana Caitano)

Acabou antes de ser.
Mas era um amor em potencial,
cheio de códigos e semelhanças,
brincadeiras e lembranças.

Começou com troca de olhares,
palavras tímidas, vontade de ficar perto.
E foi ganhando espaço,
amizade, admiração, gesto.

Tinha risos e abraços,
gosto bom de adolescência,
tinha dança, planos, colo,
tinha até cafuné,
pensamentos unidos, coincidência.

Mas tinha também distância, saudade,
caminhos opostos.
Tinha cobrança e tinha desapego,
tinha um mais que o outro,
o não querer tanto,
o querer por sossego.

Tinha a razão,
tinha o medo,
tinha a mensagem guardada.
Tinha coisa demais:
ou não tinha de ser
ou tinha a hora errada…

//
Meio Almodóvar – Juca Novaes

Foi só um ensaio
Foi só um insight
Durou muito pouco
Doeu muito mais
Foi trailer de filme
Ensaio de orquestra
Foi jogo suspenso
No auge da festa
Foi curto e intenso
Canção de Caymmi
Foi meio Almodóvar
Foi meio Fellini
Foi como um cometa
No céu da cidade
Foi breve promessa
De felicidade
Eu morro de saudades do que era pra viver
E vivo da viagem de reencontrar você
Meus olhos do passado num futuro que nem sei
De tantas outras vidas
Mil pontos de partida
E todos os detalhes do que não aconteceu
Repetem o roteiro pra mostrar você e eu
O filme recomeça e nunca chega até o fim
E nessa nova vida
Não tem a despedida
Foi só a voz guia
Foi nem a metade
Foi estrela guia
Foi tanta verdade
Um mero rascunho
Mas foi divindade
Grafite no muro
Da minha saudade
Eu morro de saudades…