Medo de ser feliz

menina medoTodas as vezes que coisas boas me acontecem ou estão para acontecer ou quando deduzo que podem vir as ruins, adoeço, estremeço, dou um jeito de fugir de algum jeito. Pode não ser de verdade, com as próprias pernas, mas meu corpo acusa o medo. Surgem dores de garganta, de barriga, de cabeça, de dente. Fico fraca, com alergia, com estômago embrulhado. Como uma menina quando teme o escuro e chora embaixo do cobertor, meu organismo faz uma revolução para evitar que eu avance…

Eu não percebia essa história antes, mas comecei a aprender aos poucos. Terapeutas e psicólogos chamam isso de auto boicote ou autossabotagem. Parece insano e fora da realidade acreditar que alguém em sã consciência boicotaria a si mesmo, mas é fato. A gente tem uma capacidade danada de passar a perna em quem mais deveria ser cuidado. E eu sou dessas – faço de tudo para aquela pessoa que vejo no espelho se dar mal. Maluquice isso, né?

Percebi que, no fundo, acho que não mereço nada daquilo ou acredito que vai acabar logo e aí sim vai doer. Então me protejo da possível dor antes de ela pensar em existir. Para muitas etapas da minha vida profissional, minha vontade foi bem mais forte que meu medo. E tantas outras poderiam ser diferentes se ele não existisse. Mas em outros atos ele ainda comanda. Como um diretor de teatro que decide a hora do último sinal.

No amor, tanto pior. Arrumo mil defeitos em quem se aproxima, mostro a ele os meus, todos de uma vez. Absorvo todos os sinais aparentemente negativos como um adeus e despejo nele todas as minhas neuroses. Tudo para garantir que nada dê certo. Assim sofro menos, diria meu subconsciente. E eu, na minha inocente consciência, dizendo que tudo o que queria era um amor de verdade.

Observar que eu fazia tudo isso não foi fácil. Neguei por muito tempo. A timidez, o nervosismo, a desconfiança e a insegurança sempre foram soldados fiéis desse boicote cruel a que me submeti. E eu jurando que era só uma questão de azar ou sorte. Enquanto lá dentro meu Tico e Teco estavam debatendo: E se der certo? E se não der? E se me magoarem? E se eu magoar alguém? E se eu aparecer demais? E se eu ficar metida? E se me acharem idiota? E se eu conseguir e as outras pessoas não? E se todo mundo conseguir e eu não? E se eu quebrar a cara? E se eu fracassar?

E se, e se, e se… O medo do que pode e não pode acontecer tem me feito viver, por tantos anos, sem viver de verdade. Porque penso no que os outros vão pensar ou porque não tenho coragem suficiente de enfrentar meus próprios defeitos. Por covardia ou por orgulho. E, depois de tanto mergulhar em minha mente para entender, veio a resposta: tenho tamanho de gente grande, mas descobri que sou mesmo é uma garotinha com medo de ser feliz. E esse medo ninguém deveria ter.

Anúncios