Quem me faz feliz

felizDurante muito tempo busquei um amor, um relacionamento para preencher um vazio que sentia no peito. Achava que ser amada por alguém que não fosse da minha família era a chave para eu ter certeza de que tinha valor. Condicionei por anos minha felicidade ao surgimento de um homem que chegaria resolvendo todos os meus problemas: da autoestima à companhia pra ir ao cinema. Até lá, aguardaria infeliz e sozinha o resgate. Depositei responsabilidade demais nas costas de um desconhecido que não sabia nem se e quando chegaria.

Mas a maturidade me ensinou que seria justamente o contrário. Continue lendo

Anúncios

Estou apaixonada

amorMeu coração anda acelerado, mal para dentro do peito. Está com vontade de pular pela boca, ganhar o mundo, entrar em outros corações. Ando suspirando pelos cantos, com um sorriso quase constante no rosto.

Sinto mais vontade de me arrumar, de contar para todo mundo o que se passa comigo. Quero pular e cantarolar na rua sem me importar com os dedos que me apontarão, os olhares que me julgarão. Me coço para não sair por aí abraçando quem passar na minha frente.

Tenho chorado por pouco e por muito. Qualquer vídeo, palavra, pessoa que ative esse amor me provoca lágrimas. Minha vontade é de apenas amar, amar e amar.

Sim, estou apaixonada. Com todos os efeitos que um sentimento assim pode causar. Com todas as bobeiras que a gente é impulsionado a fazer quando está desse jeito. Com todas as borboletas no estômago que aparecem nessa situação.

Estou apaixonada mesmo, mas não é por um homem. Antes que olhos se esbugalhem e bocas se abram, explico: ESTOU APAIXONADA PELA VIDA!

Passei anos lutando para sair de crises, para não chorar de tristeza, para não parecer tão ingrata com tudo de bom que ganhei. Sentia-me péssima por não conseguir ser feliz mesmo com tanta coisa boa ao meu redor.

Mas nunca desisti de correr atrás da felicidade. Às vezes ela me parecia impossível, admito. Só que lá no fundo, bem fundo, eu ainda alimentava a esperança, esse bichinho verde que nos morde e nos mantém vivos.

Nos dois últimos anos, desde que voltei para Brasília, me dediquei mais intensamente a essa busca. Fiz terapia individual e em grupo, li livros, tomei remédio, rezei, conversei com pessoas, caí, levantei, caí mais um monte de vezes. E todos esses pedacinhos de coisas juntos foram me preparando para voar.

E é assim que me sinto hoje: pronta para voar. O empurrão que faltava começou a acontecer há dois meses, desde que entrei em um curso de coaching (uma ferramenta mundialmente usada para ajudar as pessoas a alcançarem metas). Matriculei-me para aprender a ajudar melhor as pessoas, mas, que boa surpresa, a pessoa mais ajudada, claro, fui eu.

balões voandoNão atribuo tudo o que está acontecendo dentro de mim só ao coaching, não, porque eu já vinha de um processo de autodescoberta. Mas ele tem sido, digamos, a cereja do bolo. Além de ganhar uma profissão extra, aprendi como posso reprogramar meu cérebro para ele trabalhar a meu favor. Aprendi como a forma como me comunico com o mundo altera meus resultados.

E, principalmente, reforcei uma ideia que já me foi passada desde que nasci: a linguagem do amor é a mais poderosa arma contra todos os males!

A história é longa, quem quiser me procure para saber detalhes (e eu terei muito prazer em ajudar todo mundo a crescer junto comigo). O fato é que me sinto como se tivesse trocado as lentes velhas de um óculos, feito cirurgia de miopia (de novo), subido no alto de uma montanha para ver a cidade. Minha visão está diferente e, por isso, minha vida está muito, muito melhor – mesmo sem grandes coisas terem acontecido AINDA.

Hoje agradeço com a alma por tudo que tenho. Tenho a certeza de que o melhor está por vir. Consigo sonhar e acreditar de verdade que tudo é possível. Tenho ideias novas todo dia. E sinto cada vez mais e mais vontade de fazer a diferença neste mundo.

Aguardem para ver a nova versão deste blog, das minhas palavras, das minhas ações. A nova versão da Adriana Caitano. Feliz de verdade!

Ah, só pra acrescentar: estou me apaixonando progressivamente por uma pessoa também – EU!

Por dentro

Todos a veem como alguém sem brilho, triste, sem anseios, frágil. A veem apagada, pessimista, fraca, finita. Ela também.

Mas essa não é ela de verdade. No fundo, bem no fundo, é tão cheia de cor e risos e flores… É luz e amor, coragem e vontade de ser. Sem medo, sem freios, sem delírios. É feliz.

Dentro dela mora outra, uma menina de olhos sorridentes, uma mulher intensa, uma adolescente que gosta de dançar.

Essa que ela mal conhece tem tanto amor guardado, tantas risadas para dar, tantos abraços para espalhar, tantos poemas para escrever, tanto bem para fazer que dói guardar tanto.

Mas ela fica escondida, só mostra o que os outros veem. É prisioneira de uma vida confusa que escolheu não ser. É refém de pensamentos redundantes que a fazem esquecer. E se esquece de viver.

No dia que a algema for rompida, a grade se abrir e ela se libertar, será luz e cor e amor para todo lado. Será ela e o mundo, a felicidade de ser e dividir o que é belo.

Será feliz, como nunca lembrou que poderia. Vai provar que pode sim, consegue sim, de tudo um pouco, ir além, criar, impressionar, apaixonar. Trabalhar.

A partir desse dia, será diferente. Tanto que todos a virão com brilho, alegria, sonhos, iluminada, otimista, forte e infinita. Ela também.