Amor por inteiro

Não dá pra amar aos pouquinhos, a conta-gotas. Se amo é por inteiro.Sou exigente no amor. Não sei deixar pra depois, ver no que vai dar, deixar rolar. Pra mim ou é ou não é. Não dá pra amar aos pouquinhos, a conta-gotas. Se amo, é por inteiro.

Pode ser por isso que não sou amada por muito tempo. Homens têm medo de tanto tudo assim. E eu peço mais. Mais palavras, mais olhares, mais presença, mais amor. Até quando não falo nada estou pedindo exatamente tudo isso. Mesmo sem querer.

Não dá nem tempo de eles me amarem. Podem até gostar no início. Mas o problema é se eu começo a gostar. Aí meus olhos me entregam, exigem. Minha ansiedade é estampada no meu rosto. Porque, além de ser exigente, tenho pressa.

E lá se vai mais um amor. Simplesmente porque eu não tive tempo de aprender a ser menos, a ter calma, a relaxar. É isso que me pedem sempre, não é? Já sei de tudo. Mas não adianta. Não consigo me conter.

E, se ainda não consegui mudar, fazer o quê? Só me basta fechar os olhos e esperar surgir alguém que me entenda e ame como eu amo – não gota a gota, mas com a grandiosidade de um oceano. Por inteiro.

Anúncios

Aceite-me como sou

Apenas eu

namorados_idososAceite-me como sou
Doida ou sã
Puta ou santa
Alegre ou sofrida
Otimista ou descrente
Aberta ou reprimida

Deseje meu corpo
Firme ou flácido
Reto ou curvilíneo
Celulítico, paralítico, raquítico
Sóbrio, pálido ou bronzeado
Dobradiço, roliço, desenfreado

Ame meus defeitos, meus peitos, meu humor
Meu desespero e meu despudor
Veja luz em meu olhar e acolha minha dor
Abrace minha essência e terá o meu amor

Fiz um vídeo recitando essa poesia, a propósito:

Coração sem barreiras

img_20161221_112425.jpg

Invejo as pessoas que amam sem medo, que se jogam, que, mesmo depois de uma rasteira, levantam de queixo erguido e não desistem de amar. Como é bonito ver o amor crescendo em um coração sem barreiras…
O amor é uma coisa tão linda, era pra ser leve e intenso sempre. Mas nem todo mundo está disposto de verdade a tentar, a juntar a bagagem com a do outro, a pagar o preço.

Amar traz um monte de efeitos colaterais. Às vezes dor, às vezes taquicardia, às vezes moleza no corpo, às vezes insônia. E amar dá medo, muito medo.

A gente pensa em todas as possibilidades de dar errado, de ser abandonado, traído, ignorado. E mal lembra que há também a possibilidade de dar tudo certo, de ser intenso e tranquilo ao mesmo tempo, de não doer tanto assim, de ser pra sempre ou de não ser e mesmo assim ser bom enquanto durar.

É por isso que invejo quem se abre pra isso tudo. É inspirador. Faz a gente acreditar que é possível, que a questão não é não ter medo, é amar com medo mesmo, só pra sentir o gosto do amor, pelo menos uma vez.

Quem me faz feliz

felizDurante muito tempo busquei um amor, um relacionamento para preencher um vazio que sentia no peito. Achava que ser amada por alguém que não fosse da minha família era a chave para eu ter certeza de que tinha valor. Condicionei por anos minha felicidade ao surgimento de um homem que chegaria resolvendo todos os meus problemas: da autoestima à companhia pra ir ao cinema. Até lá, aguardaria infeliz e sozinha o resgate. Depositei responsabilidade demais nas costas de um desconhecido que não sabia nem se e quando chegaria.

Mas a maturidade me ensinou que seria justamente o contrário. Continue lendo

Pausa para mais um adeus

Lá vai você de novo e eu nem tive tempo… Não ouvi você cantar, não sei sua cor preferida, o que te deixa triste nem os lugares que faltou conhecer.

Não deu tempo de dizer como preciso de carinho, que minha marra é puro medo. E que minha busca por carinho é pra ver se aprendo a ter alguém por perto sem fugir. E que estava começando a gostar de quem eu era perto de você. Ainda não era um suspiro, mas me fazia bem.

Não pude te contar como tropeço nos sentimentos e o quanto eles me confundem. Faltou tempo pra outro cafuné, pra outra tentativa.

Você já parece estar de saída e eu nem pude cuidar de você quando ficou doente. Não te vi à luz do dia, não vimos um filme inteiro. Não consegui saber mais sobre seu mundo, suas canções.

Mais uma vez se foi antes que fosse. Antes que eu decidisse se queria, se podia ser, se era você. Não foi.
Hoje é você, ontem foi outro “você”. Mais um quase interrompido. Mais um fim antes do começo… Mais um adeus.

O amor é bipolar

amor bipolarE se eu achar que te amo só porque hoje acordei assim meio carente?
E se eu sentir falta do seu abraço, só porque lembrei que é o melhor que ganhei na vida?
E se eu quiser perder a hora conversando com você num bar de novo, mesmo que você tome só duas cervejas até ficar sem graça porque eu fiquei no suco de laranja?
E se eu olhar praquela lua linda que está lá fora e desejar estar na beira do Lago olhando pra ela junto com você?
E se eu quiser que aquele plano nunca cumprido de uma viagem juntos seja de verdade?
E se eu ouvir sozinha todas as músicas que eu sei que você gosta pra ver se você fica perto de mim, mesmo que de mentirinha?
E se eu jurar esquecer que vi defeitos em você que me pareciam impossíveis de superar?
E se eu prometer que vou tentar viver só o hoje, como você me ensinou, e não te cobrar nada mais que venha após o sol nascer?
E se eu garantir que vou ser mais leve e parar de pensar tanto?
E se eu não mudar tão rápido e quiser sua ajuda para aprender aos poucos?
E se eu continuar sendo assim, tão eu, por achar que, poxa vida, alguém vai ter que me aceitar?
E se você voltar e eu decidir que não quero mais?
E se eu perceber que não te amo coisa alguma, que era só carência mesmo?

 

Pra ficar junto

casalDeixando essa teoria de que “os opostos se atraem” de lado, podem existir vários motivos para duas pessoas que se gostam não ficarem juntas.

Elas podem se gostar muito, mas ter uma total incompatibilidade de gênios. Brigam por qualquer coisa, discutem por causa do tom do bom dia que o outro fez, por que ele foi mais carinhoso que o normal e ela mais fria. Ela se irrita quando ele quer ficar sozinho. Ele se incomoda porque ela nunca fica sozinha.

Eles podem se gostar muito, mas terem crenças diferentes. Ela vai à igreja toda semana, faz o sinal da cruz quando passa na porta do templo, reza antes de dormir, quando acorda, fala em Deus muitas vezes ao dia. Ele nem sequer acredita que Deus exista e acha um absurdo, uma hipocrisia ela perder tanto tempo da vida se dedicando à vida religiosa.

Eles podem se gostar muito, mas defenderem visões políticas diversas. Ele cresceu acreditando que comunistas são comedores de criancinhas, que essa coisa de socialismo é utópica, que Fidel Castro é um homem do mau, que a privatização foi a melhor coisa que aconteceu ao Brasil. Ela não bebe Coca-Cola para não alimentar o imperialismo americano, aprendeu a ler com um livro de Marx e Engels, acha que essa elite burguesa só maltrata o povo, que ser socialista é uma filosofia de vida, que o capital existe para sugar a vida das pessoas.

Eles podem se gostar muito, mas estarem em momentos difusos da vida. Ela acabou de se formar, quer construir uma carreira, viajar pelo mundo, comprar um carro. Ele tem 35 anos, quer se fixar num emprego, financiar um apartamento, ter filhos. Ou ela tem um relógio biológico apitando, avisando que está na hora de se apaixonar, casar e acelerar a produção das crianças. Enquanto ele não quer abandonar as baladas, o futebol com os amigos, a cervejinha todo dia, a variação de pares.

Eles podem se gostar muito e deixar as diferenças religiosas, ideológicas, comportamentais e temporais falarem mais alto. Mas, se o que sentirem um pelo outro for sincero e verdadeiro, se estão ligados em pensamento o tempo todo, se ainda suspiram quando se lembram de bons momentos juntos, bem… Eles só não estão juntos porque não querem!

//
A seta e o alvo – Paulinho Moska

Eu falo de amor à vida,
Você de medo da morte.
Eu falo da força do acaso
E você de azar ou sorte.

Eu ando num labirinto
E você numa estrada em linha reta.
Te chamo pra festa,
Mas você só quer atingir sua meta.
Sua meta é a seta no alvo,
Mas o alvo, na certa, não te espera.

Eu olho pro infinito
E você de óculos escuros.
Eu digo: “Te amo!”
E você só acredita quando eu juro.

Eu lanço minha alma no espaço,
Você pisa os pés na terra.
Eu experimento o futuro
E você só lamenta não ser o que era.
E o que era?
Era a seta no alvo,
Mas o alvo, na certa, não te espera.

Eu grito por liberdade,
Você deixa a porta se fechar.
Eu quero saber a verdade
E você se preocupa em não se machucar.

Eu corro todos os riscos,
Você diz que não tem mais vontade.
Eu me ofereço inteiro
E você se satisfaz com metade.
É a meta de uma seta no alvo,
Mas o alvo, na certa não te espera!

Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada,
Quando se parte rumo ao nada?

Não querer mais por querer demais

não mais Às vezes a gente decide se afastar de alguém exatamente por querê-lo por perto. E diz adeus justamente por querer vê-lo chegar. E vira a página simplesmente porque não quer que a história tenha um fim.

Em alguns momentos, a gente diz não a alguém ao perceber que só quer dizer sim. E o deixa ir porque quer que ele fique pra sempre. E fecha os olhos de tanto querer fitar aquele olhar.

A gente perde por medo de não ganhar, manda embora por não ter coragem de pedir pra ficar, vira as costas pra não ter um abraço recusado. Pra não sofrer, pra não se decepcionar mais uma vez.

Se a gente sabe que a outra pessoa não está ali de verdade, às vezes o melhor é não estar também. Engolir um sentimento em seco no presente pode ser menos doloroso que insistir em algo sem futuro…

//
Apenas mais uma de amor – Lulu Santos

Eu gosto tanto de você
Que até prefiro esconder
Deixo assim ficar
Subentendido

Como uma ideia que existe na cabeça
E não tem a menor obrigação de acontecer

Eu acho tão bonito isso
De ser abstrato baby
A beleza é mesmo tão fugaz

É uma ideia que existe na cabeça
E não tem a menor pretensão de acontecer

Pode até parecer fraqueza
Pois que seja fraqueza então,
A alegria que me dá
Isso vai sem eu dizer

Se amanhã não for nada disso
Caberá só a mim esquecer
O que eu ganho, o que eu perco
Ninguém precisa saber

(In)verdades

Seus olhos pareciam verdadeiros, seu sorriso parecia natural, suas palavras pareciam amigáveis. Você deve ter me estudado antes para descobrir meus gostos e interesses. Disse pensar parecido, reclamar parecido, desejar parecido. Fez tudo direitinho, como mandava meu manual. E chegou bem perto pra eu acreditar.

Não, eu não estava apaixonada. Não planejava te pedir em casamento ou algo assim. Só queria te conhecer direito. Se fosse o que parecia, o que queria parecer, seria maravilhoso. Mas nunca é, eu já sabia. Só queria arriscar. Antes mesmo do quase nada vir a ser, você, covardemente, virou as costas.

Nem sequer esperou pra saber quem eu sou de verdade. Do que gosto de verdade. O valor que tenho. Não quis saber se eu te queria ao menos como amigo, nem se eu me ofenderia com seu silêncio. Simplesmente não teve coragem de dizer adeus.

Não interessa se eu pareci exagerada, se pareci envolvida, se pareci emocionada. Não me culpe por suas próprias conclusões, por não ter me dado a oportunidade de ser qualquer coisa. Não importa se ficou confuso ou com pena. Seu medo pode ter te tirado a chance de ter alguém que é totalmente de verdade por perto, ao menos como amiga.

Amor tranquilo

Nada de borboletas no estômago o tempo todo, adrenalina por todas as veias, afobação e ciúmes até da sombra. Ficaria feliz com uma presença contida, um abraço calmo que não dá medo de perder, um sorriso na hora certa e um espaço para pensar sozinha.

Não precisa ter montanha russa, sinos tocando, rosas vermelhas a cada mês. Não faço questão de café na cama todo dia, grude, telefonemas sem fim, promessas sobre tudo. Uma conversa sincera, um “boa noite” sorridente e um papo no bar cheio de risadas me apetece muito mais.

Meu coração está na fase Cazuza, quer “todo o amor que houver nessa vida”, mas, de preferência, que seja um “amor tranquilo, com sabor de fruta mordida”. Sem atropelos, sem desespero. Sem essa de metades se completando. Um mais um – duas pessoas completas que se unem para o melhor de cada uma.

Um romance pra sempre enquanto durar, mas que dê vontade de não acabar nunca mais. Sei bem, como disse o poeta, que o que quero é sorte. Mas não me incomodo em esperar quanto for necessário por esse “remédio que me dê (ainda mais) alegria”.

//
Todo Amor que Houver Nessa Vida – Cazuza

Eu quero a sorte de um amor tranqüilo
Com sabor de fruta mordida
Nós na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva

Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia

E ser artista no nosso convívio
Pelo inferno e céu de todo dia
Pra poesia que a gente não vive
Transformar o tédio em melodia

Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum veneno antimonotonia

E se eu achar a tua fonte escondida
Te alcanço em cheio, o mel e a ferida
E o corpo inteiro como um furacão
Boca, nuca, mão e a tua mente não

Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum remédio que me dê alegria