O problema que eu escolhi ter

(Este post é longo, mas importante. Então tenta ler até o fim, por favor!)

Pra ler ouvindo:
O Mundo – Capital Inicial

“Já cansei de propostas de dar respostas e ter que dar certo
(…) Se eu for ligar para o que é que vão falar não faço nada”

E

Agora Só Falta Você – Rita Lee

“Um belo dia resolvi mudar e fazer tudo que eu queria fazer…”

Borboleta voando 01

Abandonar, mudar, sair, deixar, interromper, romper, largar, ousar. Nada disso é fácil. Faz parte das coisas que atraem cenhos franzidos, olhares desconfiados, baldes de água fria. Pra que variar se você pode continuar sendo o mesmo? A mesma pessoa, na mesma casa, no mesmo trabalho, na mesma rotina… Ser o mesmo é mais tranquilo, dá menos trabalho, dá menos medo…

Só que eu nunca gostei muito dessa história do mesmo – ele me assusta até no elevador, naquelas mensagens que dizem pra não entrar quando ele está ali. Sério, dá medo. Sempre tive mais medo do “mesmo” que do novo. E por isso passo a vida mudando. Não necessariamente de casa ou de ideal, mas de opinião, de ponto de referência, de zona de conforto. E qual é o problema?

Sou uma pessoa inquieta. E, depois de anos achando que eu tinha déficit de atenção e que precisava de remédios, descobri, finalmente, que essa é a minha maior qualidade. Nada contra quem prefere ficar coladinho com o mesmo. Mas é tão libertador conseguir mudar! E pra mim não rolava mais. Resolvi assumir minha identidade, ser eu mesma – (ops, o sentido aqui é outro, hein?).

E daí?, você pergunta. E daí que acabo de tomar uma das decisões mais malucas e libertadoras da minha vida até aqui. Eu, repórter de Política de um jornal importante, com uma longa carreira pela frente, finalista de prêmio e cheia de coisas pra aprender na profissão, decidi que não quero isso pra mim, ao menos por enquanto. A ideia de fazer o mesmo pra sempre me aterrorizou de novo. E aí pedi demissão! Sem ter uma outra opção de “mesmo” pra me apoiar de imediato.

Exagerada, sim. Sonhadora, sim. Radical, sim. Lunática, sim. Louca, sim. Estou completamente maluca pela vida que me espera. Cansei de ficar reclamando, choramingando, criticando. E vocês, que já me viram fazer isso milhares de vezes, precisam saber: isso faz parte do meu passado. Aprendi que a única que me impedia de ser realmente feliz era eu. E aí, chega, né? Eu decido ser feliz!

Por isso estou de partida para uma nova vida. Não vou precisar necessariamente viajar, mudar de país, dar a volta ao mundo pra isso. Vou simplesmente viajar pra dentro de mim, buscar recursos na fonte original. Vou me descobrir, vou estudar, vou colocar em prática projetos engavetados, vou escrever, vou dar uma pausa pra ver a política do outro lado, vou aprender coisas novas. E, principalmente, vou apostar todas as minhas fichas naquilo que é meu propósito de vida (o que descobri recentemente como quem descobre uma mina de petróleo no quintal, foi lindo!): ajudar as pessoas.

Aos amigos, curiosos, cautelosos, preocupados, conservadores: não encanem. Não vou morrer de fome, eu sei me virar muito bem! Quantas vezes tomei decisões que pareciam arriscadas e que, no fim, deram certo? Porque eu acredito que tudo, absolutamente tudo que me aconteceu ou eu fiz acontecer deu certo. Se considerarmos o aprendizado, as cicatrizes que evitam novos erros, os tropeços, mesmo quando dá errado, dá certo, né?

E hoje, mais do que nunca, tenho plena certeza de que vai dar tudo certo e todos os meus sonhos vão se realizar. Eles até poderão ser adaptados ao longo do tempo, mas eu os vejo logo ali, depois da curva, prontinhos, funcionando, existindo, realizando, transformando. E quero pagar pra ver!

Quando anunciei o que fiz por aí, ouvi de muitos frases como “eu também queria ter essa coragem” ou “nossa, queria poder fazer algo assim”. Pra todos esses, quero dizer: perseguir seus sonhos não é questão de coragem ou oportunidade, mas de decisão! E daqui em diante meu propósito de vida é fazer com que cada vez mais pessoas decidam sonhar, realizar seus sonhos e ser verdadeiramente felizes, apesar de tudo. Contem comigo! Vida nova, aí vou eu!

Sorriso1

//

Complementos pra inspirar:

Olha o que a Martha Medeiros disse (via Carol Martins)…

“Pessoas com vidas interessantes não têm fricote. Elas trocam de cidade. Investem em projetos sem garantia. Interessam-se por gente que é o oposto delas. Pedem demissão sem ter outro emprego em vista. Aceitam um convite para fazer o que nunca fizeram. Estão dispostas a mudar de cor preferida, de prato predileto. Começam do zero inúmeras vezes. Não se assustam com a passagem do tempo. Sobem no palco, tosam o cabelo, fazem loucuras por amor, compram passagens só de ida.
Para os rotuladores de plantão, um bando de inconsequentes. Ou artistas, o que dá no mesmo. Ter uma vida interessante não é prerrogativa de uma classe. É acessível a médicos, donas de casa, operadores de telemarketing, professoras, fiscais da Receita, ascensoristas.
Gente que assimilou bem as regras do jogo (trabalhar, casar, ter filhos, morrer e ir pro céu), mas que, a exemplo de Groucho Marx, desconfia dos clubes que lhe aceitam como sócia. Qual é a relevância do que nos é perguntado numa ficha de inscrição, num cadastro para avaliar quem somos? Nome, endereço, estado civil, RG, CPF. Aprovado. Bem-vindo ao mundo feliz. Uma vida interessante é menos burocrática, mas exige muito mais.”

//

Olha o recado do Bill Watterson, criador do Calvin e do Haroldo (via Potencial Gestante):

calvin

Leia também:
Virando a página mais uma vez
Eu quero ser feliz agora!

Anúncios

2 pensamentos sobre “O problema que eu escolhi ter

  1. Não posso deixar de diser que estou surpreso, mas que acho ótimo essas suas descobertas e decisões de corragem. A corragem quando vem do coração é amor, e algo movido dessa forma não pode estar errado 🙂 Bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s