Por que a vida tem que ter 3 sábados

Odeio domingo. E segunda-feira também. E sexta. Na verdade, detesto todos os dias em que me sinto presa a alguma obrigação – não que eu não goste de trabalhar, nada disso. Só não gosto de ser obrigada a nada. E domingo tem cara de tédio, de véspera. Não se pode curtir um domingo por inteiro porque ele já nasce te avisando “olha, daqui a pouco é segunda, hein, está chegando a hora”.

Domingo tem cara de bedel de escola que está de olho em você, pronto para te empurrar para a sala de aula assim que o sinal tocar. Não aceita que você esteja cansada, com preguiça ou nem tenha terminado de comer o lanche no recreio. Não interessa, está na hora da aula. Está na hora da obrigação.

E, se é para fazer uma comparação bem feita, posso dizer – com a certeza de que 99% da população brasileira vai concordar comigo – que o sinal prolongado avisando aos que estão no pátio que o recreio acabou é proporcional à musiquinha do Fantástico, o show da vida que só serve para anunciar que a parte show da vida está acabando. Afinal, já é praticamente segunda-feira.

Aí vem o segundo dia que eu mais detesto da semana – segunda-feira. Primeiro que o nome já está errado. Apesar de oficialmente ser o segundo dia da semana, a segunda é na verdade o primeiro e fatídico dia, aquele em que tudo começa, desde dietas e matrículas na academia até novos empregos e novas novelas da TV.

Descobri que o português é a única língua em que não homenageamos a lua na segunda. Em espanhol, inglês e até alemão, segunda-feira é dia de lua – Lunes, Monday, Montag. Na nossa língua não tem nada da lua e seu ar de tranquilidade. E ainda inventaram de colocar feira, vindo de feria, que em latim significa “dia de descanso”, depois dos dias da semana em que mais ralamos, como a segunda. Parece piada, né?

A segunda não tem cara de descanso nem de lua, pelo contrário. Parece que estamos no piloto automático, arrastados, levados por uma onda que nem sabemos de onde vem, guiados por uma manada que vai para o trabalho embaixo do sol como quem escova os dentes e toma café. Por puro hábito. E na segunda nada rende.

Você deve estar se perguntando: se detesto tanto os dias que me lembram trabalho e obrigação, por que não gosto do dia que me lembra descanso e fim de semana? Aí é que está. A sexta-feira é uma mentirosa. Ela vem toda animadinha me dizer que finalmente chegou a hora de desligar o piloto automático, relaxar, dormir, liberar geral.

Mas essa animação toda vem carregada de um cansaço acumulado, um desânimo amontoado de todos os dias anteriores e uma imensa vontade de sair correndo e começar o fim de semana logo. E aí, nada rende na sexta também. E olha que eu nem sou do tipo que desfruta do fds à prestação, inaugurando-o na noite de quarta. Nem uso meu fim de semana para enfiar o pé na jaca. Eu só quero descansar.

Por isso, o sábado é o melhor, mais lindo, florido, colorido e maravilhoso dia de todos (quando não estou de plantão, é claro). Só no sábado as lojas estão abertas, o sol está aberto, a vida, os clubes, os sorrisos estão abertos. É dia de ver TV, dormir até tarde, tomar sol, ir à igreja, aos aniversários, aos restaurantes, às compras e às baladas. Tudo junto em 24 horas. Uma delícia de dia que, como quase tudo que é bom nesta vida, acaba rápido demais pra gente se dar conta.

Eu juro, se um dia tiver algum poder para isso, vou transformar a sexta-feira e o domingo em sábados. Três sábados na semana todos para mim, cheios de sorrisos, clubes e sóis abertos. É tudo o que se quer na vida, não é?

Anúncios

Um pensamento sobre “Por que a vida tem que ter 3 sábados

  1. Ola Dri!! Concordo com você (na verdade não hehehe), meu domingo mal acabou e já estou cheio de preocupações para segunda, será que vai dar tempo de comprar os bilhetes de trem para o Jungfrau? Deixo o escorpião picar meu dedo para tirar o dinheiro do bolço e pagar uma aula de snowbord ou me preparo para, acidentes acontecem, passar o resto das férias com o pé torcido?…. talvez eu só tire fotos … vai estar um frio de lascar mesmo…
    Mas voltando as segundas-feiras, digo, sábados (e aproveitando que sou chato pacas). Minha vida tem muito mais do que 3 sábados. Para ser mais (quase) preciso, até agora já tive (e você tb) bem uns (52×27) 1354 deles, todos devidamente separados por outros seis dias… mas já dá pra brincar né? Não que eu esteja querendo te animar. Uma vez eu estava puto da vida com uns vizinhos que não me deixaram dormir direito (uma das poucas coisas [que não é o meu irmão] que me irritam facilmente) e você tentou me animar mostrando as coisas belas da vida e tal…. mas sei que não é bem assim que as coisas funcionam, a gente tem que digerir por conta. A minha vida tomou um ritmo muito doido (num sentido bom, mas muito mais veloz do que eu imaginava que poderia ser) nos últimos anos e meus dias de Sol tem sido frequentemente qualquer dia… as vezes até quando chove, quando neva, quando é noite (Lua?). Espero que no meio da correria editorial que cerca sua vida, você encontre os seus sábados nos domingos, sextas, segundas… numa feira de dias de qualquer lugar. Como? Sei lá… respirando… respirando dá certo…. é tudo que sei (sei? hehehehe)
    Abraços
    ps: ver TV??? vc não precisa de mais sábados… hehehehe (brincadeira, cada um se diverte com o que quer)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s