Vontade clichê

De repente me deu uma saudade…
De olhar nos olhos de alguém e querer que o tempo pare naquele momento;
De tocar o rosto dele com lentidão para apreciar cada detalhe e querer guardar aquela imagem em uma galeria de arte;
De andar de mãos dadas como se nada mais importasse;
De ficar horas conversando em silêncio, só porque a gente se entende tão bem que as palavras são dispensáveis;
De ganhar e fazer cafuné pra dormir;
De sair por aí suspirando e sorrindo como uma boba de tanta felicidade;
De ligar só pra saber como foi o dia;
De torcer para o tempo passar logo quando estou longe e bem devagar quando estou perto;
De fazer todas as coisas bobas que fazem os casais do cinema;
De sentir num abraço que o mundo pode acabar, se quiser, porque já estou protegida;
De ser clichê, piegas, sonhadora, infantil, mulher, viva;
É que me deu uma vontade de me apaixonar de novo…

//
Pra completar a melação provocada pela minha TPM, um vídeo bem água com açúcar e outro animadinho com uma música fofa do Móveis:

Love me Tender (voz de Norah Jones)

O Tempo – Móveis Coloniais de Acaju

A gente se deu tão bem
Que o tempo sentiu inveja
Ele ficou zangado e decidiu
Que era melhor ser mais veloz e passar rápido pra mim
Parece que até jantei
Com toda a família e sei
Que seu avô gosta de discutir
Que sua avó gosta de ouvir você dizer que vai fazer
O tempo engatinhar
Do jeito que eu sempre quis
Se não for devagar
Que ao menos seja eterno assim
Espero o dia que vem
Pra ver se te vejo
E faço o tempo esperar como esperei
A eternidade se passar nos dois segundos sem você
Agora eu já nem sei
Se hoje foi anteontem
Me perdi lembrando o teu olhar
O meu futuro é esperar pelo presente de fazer
O tempo engatinhar
Do jeito que eu sempre quis
Distante é devagar
Perto passa bem depressa assim
Pra mim, pra mim
Laiá, lalaiá
Se o tempo se abrir talvez
Entenda a razão de ser
De não querer sentar pra discutir
De fazer birra toda vez que peço tempo pra me ouvir
A gente se deu tão bem
Que o tempo sentiu inveja
Ele ficou zangado e decidiu
Que era melhor ser mais veloz e passar rápido pra mim
Eu que nunca discuti o amor
Não vejo como me render
Ah, será que o tempo tem tempo pra amar?
Ou só me quer tão só?
E então se tudo passa em branco eu vou pesar
A cor da minha angústia e no olhar
Saber que o tempo vai ter que esperar
E o tempo engatinhar
Do jeito que eu sempre quis
Se não for devagar
Que ao menos seja eterno assim

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s